Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 16/10/17 - Ascenção De Jesus Aos Céus

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA - 2017

 

ASCENSÃO DE JESUS AOS CÉUS

16/Outubro/2017

 

 

I - Quantos tempos duraram as aparições de Jesus até a sua ascensão ao céu?

1 - Os Evangelhos contam que depois da morte de Jesus ele apareceu a muitas pessoas que garantem tê-lo visto outra vez vivo na terra. Entre essas testemunhas privilegiadas figuram Maria Madalena (Jo 20,11), os discípulos de Emaús (Lc 24,13), Simão Pedro (Lc 24,35) e muitos mais. Os evangelhos afirmam que essas aparições aconteceram logo após a sua ressurreição.  A sua ascensão aos céus, portanto, teria sido imediatamente depois da sua ressurreição. 

 

 

2) – 40 dias depois da ressureição (Atos dos Apóstolos)

No entanto, segundo os Atos dos Apóstolos (escrito por São Lucas) a ascensão de Jesus ao céu ocorreu exatamente 40 dias após a sua ressurreição. Nesse quadragésimo dia,Jesus conduziu os apóstolos até ao Monte das Oliveiras, lhes deu as últimas instruções e 

«Dito isto, elevou-se à vista deles, e uma nuvem subtraiu-o a seus olhos”. E como estavam com os olhos fixos no céu, para onde Jesus se afastava, surgiram de repente dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: “Homens da Galileia, porque estais assim a olhar para o céu”? Esse Jesus que vos foi arrebatado para o Céu virá da mesma maneira, como agora o vistes partir para o céu “» (Atos 1,1-11).

Depois desses 40 dias Jesus não teria aparecido para mais ninguém.

 

 

3) - São Paulo, por sua vez, em sua 1ª Carta aos Corintios, afirma :

«Transmiti-vos, em primeiro lugar, o que eu próprio recebi: Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras; foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras; apareceu a Cefas e depois aos Doze”. Em seguida, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma só vez, a maior parte dos quais ainda vive, enquanto alguns já morreram. Depois apareceu a Tiago e, a seguir, a todos os Apóstolos. Em último lugar, apareceu-me também a mim, como a um aborto» (1 Cor 15,1-8). 

 

a)      Os Atos dos Apóstolos também afirmam que Jesus apareceu, depois, a Tiago, um parente de Jesus (Mc 6,3). Tiago chegou a ocupar um lugar destacado na Igreja de Jerusalém muito tempo depois da morte de Jesus (Atos 12,17) e não dentro dos 40 dias após a ressurreição de Cristo.

 

b)      Depois dos 40 dias Jesus apareceu, ainda, a “todos os apóstolos”. Este grupo é diferente dos Doze, aos quais Paulo já se referiu. O título de “apóstolo” (que significa “enviado”), só foi dado entre os primeiros cristãos aos que foram “enviados” a pregar o Evangelho a lugares distantes. Tal fato somente ocorreu bastante depois da morte de Jesus. Por isso, estes “apóstolos” deverão ter visto a Jesus ressuscitado muito depois de 40 dias após a sua Ascensão.

 

c)      E, por último, São Paulo escreve que o Senhor “apareceu” também para ele quando se dirigia a Damasco, no dia da sua conversão (Atos 9,1-19). E esta conversão ocorreu seis anos depois da ascensão de Jesus aos céus!

 

Daí pode constatar que os Evangelhos divergem dos Atos dos Apóstolos com relação à data em que teria ocorrido a ascensão de Cristo aos céus: no mesmo dia da ressurreição ou 40 dias após ela ter ocorrido. 

 

 

4 – Posição da Igreja

O número 40 é simbólico e não real. Na Bíblia é muitas vezes utilizado para significar a “mudança” de um período a outro, o “fim” de uma geração e o início de outra. Assim, o número 40 empregado por São Lucas, não é aqui considerado um algarismo exato, mas simbólico. Mas adiante, o próprio Atos diz que Jesus «apareceu durante muitos dias» (13,31), mas não diz mais que eram 40. E depois volta a falar das aparições de Jesus, mas por tempo indeterminado não mais durante 40 dias (10,40-42).

 

Alguns estudiosos afirmam ainda que, para exprimir mais claramente a sua mensagem, Lucas utilizou o número simbólico 40, a fim de significar que com a Ascensão de Jesus havia terminado um ciclo (o da missão que Jesus devia realizar na terra), e que a partir de então tinha início outro ciclo (o do trabalho que os apóstolos deviam desenvolver daí para a frente)

 

O relato da Ascensão nos ensina, por fim, que é preciso deixar de olhar para as nuvens, esperando a ajuda unicamente de cima. E que devemos pôr-nos a trabalhar seriamente, com esforço e sacrifício, pela implantação do Reino de Deus no mundo.  

 

5 – EXISTE OUTRO MUNDO SOBRENATURAL  “LÁ EM CIMA”?        

A Igreja tem uma posição pacífica sobre isso:  abaixo, o que ensina o Papa Bento XVI – (Cardeal Josef Ratzinger)  a respeito:

“Os Evangelho e o Credo falam que Jesus” subiu ao céu” e que está agora “sentado à direita de Deus”.  Como compreender isso? “Deus não Se encontra num espaço ao lado de outros espaços. Deus é Deus. Ele é o pressuposto e o fundamento de todo o espaço existente, mas não faz parte dele. A relação de Deus com todos os espaços é a de Senhor e Criador. A sua presença não é espacial, mas, precisamente, divina, ‘Sentar à direita de Deus’ significa uma participação na soberania própria de Deus sobre todo o espaço” (RATZINGER, Josef ).

 

 

6 – PRESENÇA DE JESUS CRISTO NO MUNDO “AQUI EM BAIXO”:

            Jo 14,23 – “Se alguém me ama guardará minha Palavra – e meu Pai o amará – e nós viremos e faremos nele a nossa morada”.

 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA