Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 15/2009
15- 1ª CARTA AOS TESSALONICENSES
FÉ, AMOR E ESPERANÇA
(Caps. 1 a 5)
 
A comunidade de Tessalônica-: esta comunidade de Tessalônica, ao norte da Grécia, foi fundada durante a 2ª. viagem de Paulo e seus discípulos. Tessalônica era uma cidade da região da Macedônia, e era sua capital, uma grande cidade. Ficava perto de Filipos. Nesta 2ª. viagem, Paulo partiu com Silas de Antioquia rumo às cidades visitadas durante a 1ª. viagem (Derbe, Listra e Icônio). Em Derbe, juntou-se a eles Timóteo e provavelmente Lucas. Esta equipe irá escrever mais tarde a 1ª. carta aos tessalonicenses.
       Lembremos que Filipos foi a 1ª. cidade da Europa a receber Paulo e os seus companheiros; logo, Filipos foi também a 1ª. cidade da Europa a receber o Evangelho de Jesus Cristo. Em Filipos, Paulo e Silas foram presos e chicoteados, conforme já vimos, e só saíram da prisão quando Paulo se declarou cidadão romano. Feridos no corpo e no espírito, Paulo e seus discípulos chegaram a Tessalônica. Quando entraram em contato com os habitantes de lá, certamente tiveram que explicar o porque dos seus ferimentos. Mais tarde, por escrito, eles recordam aos tessalonicenses a dureza daquele momento: “Irmãos, vocês nos acolheram e bem sabem que não foi em vão. Apesar de maltratados e insultados em Filipos, como sabem, encontramos em nosso Deus a coragem de anunciar a vocês o Evangelho de Deus em meio a forte oposição” (1 Ts, 2, 1 – 2).
 
Que oposição foi essa? -: aquelas de sempre. Os judeus da região ficaram com inveja do sucesso da pregação de Paulo e reuniram alguns bandidos e vagabundos, provocando tumultos durante as pregações e alvoroçando a cidade, difamando os anunciadores do Evangelho. De que forma fizeram isso? Os Atos dos apóstolos contam que alguns judeus influentes e ricos foram até uma casa onde Paulo e seus companheiros estavam hospedados, de propriedade de um homem chamado Jasão, que havia acolhido o Evangelho. Não encontrando Paulo e Silas, arrastaram Jasão e alguns outros cristãos à presença das autoridades e os acusaram de ir contra a lei do Imperador de Roma, por afirmarem que havia outro rei, que era Jesus. Por causa dos problemas, Paulo e os outros tiveram que partir de Tessalônica para outra cidade, Beréia, à noite e às escondidas. Mas a semente do Evangelho já havia sido semeada com sucesso.
 
Paulo angustiado -: a esta altura, Paulo já estava em Atenas. Mas, apesar disso, seu coração ainda estava em Tessalônica. Sua angústia era muito grande por não saber como estava a sua comunidade recém fundada e já com tantos problemas. Decidiu então enviar Timóteo, que não estivera em Tessalônica, para ver como iam as coisas naquela cidade.
       Timóteo voltou com ótimas notícias. A comunidade estava firme, havia enfrentado as oposições e vencera. Tinham saudades de Paulo e dos seus companheiros.
Paulo escreveu na carta: “Agora já nos sentimos reanimados, pois soubemos que vocês estão firmes no Senhor” (1Ts, 3 – 8).
 
Uma coisa que poucos sabem -: exatamente nessa ocasião, e sem que Paulo e seus companheiros, que estavam em Corinto o soubessem, nasceu o primeiro texto escrito do Novo Testamento: os tessalonicenses reproduziram sua primeira carta em escritos que foram distribuídos a toda a comunidade, no final do ano 50 e início do ano 51. Nessa ocasião, nem os Evangelhos haviam sido escritos ainda.
Fé ativa -: Na grande cidade de Tessalônica, um pequeno grupo de fiéis aderiu ativamente ao projeto de Deus. Paulo percebeu isso e os animou com seus escritos, pois sabia que a cidade estava cheia de “pregadores” das religiões idólatras e também da religião judaica, que era inimiga dos cristãos, como sabemos. Guiados pelo Espírito Santo, acolheram a mensagem de Paulo e Silas e, como pediu Jesus ao dizer “Ide e ensinai”, partiram sem medo para a semeadura do Evangelho. Paulo os encorajou, escrevendo: “Partindo de vocês, a Palavra do Senhor se propagou, não apenas pela Macedônia e Acaia, mas por toda a parte se espalhou a fé que vocês tem em Deus...”
(1Ts, 1,8). Os tessalonicenses nos ensinam, ainda hoje, como deve ser a verdadeira fé.
 
Amor fraterno -: Paulo e seus companheiros deixaram a comunidade de Tessalônica entregue a alguns líderes, que enfrentavam muitas dificuldades, pois sempre há quem não concorde com aqueles que comandam. O Apóstolo, então, escreveu à comunidade dizendo:
“Irmãos, pedimos que tenham consideração por aqueles que tem tanto trabalho em dirigi-los no caminho do Senhor. Vocês devem tratá-los com muito respeito e amor, por causa do trabalho que eles realizam” (1Ts 5, 12 -13). Na carta, Paulo mostra que quem comanda tem como obrigações principais o serviço aos irmãos e a compreensão com as injustiças que por acaso apareçam. O poder é visto como fadiga e não privilégio, trabalho e não exploração dos liderados. E para isso, é preciso muito amor mútuo.
 
Firme esperança -: com a
esperança firme, Paulo completa o tripé sobre o qual foi construída a comunidade dos tessalonicenses. Temos, pois, esta seqüência: Fé ativa, por meio da qual os tessalonicenses deixaram seus ídolos e se comprometeram com o Deus vivo e verdadeiro, amor fraterno e capaz de sacrifícios, que é a expressão prática da fé ativa, e finalmente a firme esperança, ou seja, a crença que impele a comunidade para a frente, rumo à realização plena do Plano de Deus que se manifestou na pessoa de Jesus Cristo.
       Este tripé forma com aquele outro que conhecemos (Espiritualidade, Estudo e Ação) a base de toda comunidade cristã. Estamos vivendo os dois?
 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA