Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 06/2012
ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA - 2012
06 - O INÍCIO DA CHEGADA DO MESSIAS
23/Abril/2012
 
Preparando o caminho do Messias -: o Evangelho de Marcos inicia com uma citação atribuída ao profeta Malaquias: “Eis que eu envio o meu mensageiro na tua frente, para preparar o teu caminho”. Isso mostra que o caminho do verdadeiro Messias é o mesmo caminho de Deus. Assim, Marcos previne o leitor de seu Evangelho, já de início, que um mensageiro de Deus vai chegar anunciando o Messias, e que Jesus Cristo é esse Messias. Esse texto de Malaquias (Ml 3, 1) é bastante semelhante a um texto de Isaías (Is 40,3) e outro texto do livro do Êxodo (Ex 23, 20).
 
Caminho anunciado no deserto -: outra citação é baseada no livro do profeta Isaías (Is 40, 3) e diz o seguinte: “Esta é a voz daquele que clama no deserto: ‘Preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas”. É conveniente lembrar aqui que a religião de Israel girava em torno de Jerusalém e do seu Templo. Ora, o deserto estava muito longe do Templo de Jerusalém e Marcos afirma então que esse mensageiro grita no deserto e não no Templo. Quem é, pois, esse mensageiro? Diz Marcos: “E foi assim que João Batista apareceu no deserto ... João se vestia com uma pele de camelo, usava cinto de couro e comia gafanhotos e mel silvestre” (Mc 1, 4-6). Essa descrição da figura de João Batista lembra imediatamente a figura do profeta Elias, um dos mais importantes de Israel. Mais tarde, Jesus vai dizer que João Batista é o próprio modelo de Elias, de quem as profecias diziam que retornaria antes da chegada do Messias. Elias clamou contra a distorção que se fazia da religião para explorar o povo, opôs-se às injustiças cometidas pelos poderosos e pelo poder político, anunciando o julgamento de Deus sobre uma sociedade injusta.
            A presença de João Batista é, pois, o retorno da voz profética contra todo poder que domina e explora, exigindo de todos a conversão. Assim, o deserto se torna também o lugar simbólico do encontro com o movimento profético para preparar o caminho do Messias.
 
O que João anuncia? -: João Batista anuncia duas coisas:
a)      Um batismo de conversão para o perdão dos pecados, e
b)      A chegada de alguém maior do que ele, que trará o Espírito Santo.
O batismo que João administra é um sinal de que as pessoas que acorrem a ele devem estar dispostas a rever a própria vida e a se converter seguindo outro caminho, isto é, o caminho de Deus, que o Messias indicará. É a disponibilidade para receber a Boa Nova, o Evangelho, a fim de estar aberto para o perdão de Deus. Isso produziu tais resultados que “Toda a região da Judéia e todos os moradores de Jerusalém iam ao encontro de João. Confessavam seus pecados e João os batizava no rio Jordão” (Mc 1, 5).
            Ao anunciar a vinda de “alguém maior do que ele”, João Batista reconhece publicamente que ele não é o Messias esperado e sim apenas um servidor dele. Confessa também não ser digno nem sequer de se abaixar para desamarrar as suas sandálias. Ao assinalar que o Messias é o mais forte, João indica que haverá luta, um conflito com forças poderosas.
            O batismo com o Espírito Santo  indica que o Messias concederá aos que o seguirem a capacidade de distinguir aquilo que é o caminho de Deus e o que não é. É o dom do entendimento (discernimento) que ainda hoje o Divino Espírito concede àqueles que o recebem. Ao mesmo tempo, o Espírito é a força necessária para combater os poderes que o próprio Messias enfrentará.
            Retomando os pontos importantes deste início do Evangelho de Marcos:
1-      O caminho de Deus que se fará presente na pessoa e na prática do verdadeiro Messias é a libertação do povo oprimido;
2-      A preparação para seguir esse caminho se faz no deserto, longe do centro de decisões religiosas, políticas e econômicas que era o Templo de Jerusalém;
3-      O caminho do Messias está intimamente ligado à pregação profética do Velho Testamento;
4-      Para se preparar, a exigência é a disponibilidade de rever a própria vida e estar aberto à igualdade e à justiça;
5-      Estar pronto para um conflito;
6-      O Messias concederá o Espírito Santo para que, no momento certo, se saiba distinguir qual é o Plano de Deus e lutar por ele.
 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA